Nosso Blog

A importância de desenvolver o capital humano na sua organização

Organizações que investem em capital humano estão alinhadas ao mercado de trabalho do futuro!

 

Você já se questionou se está cuidando do capital humano da organização da maneira como deveria?

 

Neste texto, vamos entender um pouco sobre a importância do desenvolvimento do capital humano para o atual cenário das organizações.

 

As transformações: de capital braçal para capital humano

 

Desde a Revolução Industrial, e por muito tempo, os indivíduos foram vistos como parte de um mecanismo, como uma engrenagem que poderia ser substituída rapidamente dentro de uma organização. 

 

Com o passar do tempo, as transformações tecnológicas e econômicas fizeram com que o esforço mecânico exigido anteriormente desse lugar para o conhecimento. O lema passou a ser: pessoas inteligentes trabalhando de modo inteligente com o foco de alavancar melhores resultados para a entidade e para si próprio.

 

A partir dessa lógica, hoje, sabemos que investir em capital humano é fundamental para o desenvolvimento das organizações. Ou seja: na atual conjuntura da sociedade não se deve ver o trabalho humano apenas na forma de esforço físico, é necessário fundamentar-se em trabalhadores do conhecimento que sejam hábeis, talentosos e inovadores

 

“As organizações necessitam apoiar-se no Recurso Humano do Conhecimento e não no recurso humano da força braçal; a tecnologia; à medida que por um lado supre este fator, por outro lado demanda pelo potencial humano da inteligência” (ANTUNES, Maria Thereza Pompa).

 

O atual cenário: 

 

 

Muito se fala como a tecnologia impactou nas mudanças do mercado de trabalho e na lógica de empregabilidade das organizações. Mas será mesmo que as máquinas substituem o ser humano?

 

Da mesma forma que as máquinas atuam de forma rápida e eficiente, e muitas vezes melhor que o ser humano, elas não podem inventar, pensar, inovar e não são capazes de desempenhar nada além do foram programadas. Já as pessoas possuem a habilidade de se reinventar e desenvolver novas formas de desempenhar suas atividades.

 

Por esse motivo, o capital humano é um dos principais ativos de uma organização. Ele possui relação com a otimização do tempo e das habilidades dos colaboradores para que sejam capazes de gerar melhores resultados e inovação. 

 

A pesquisa “Tendências globais de capital humano 2021”, realizada pela Deloitte, revela que os líderes de negócios e executivos de recursos humanos mudaram suas prioridades e adotaram formas radicalmente novas de trabalhar, entre as principais tendências o relatório aponta:

 

  • Integrar a saúde física, mental, financeira e  social dos colaboradores na concepção do trabalho em si, em vez de abordar o bem estar com programas adjacente;
  • Capitalizar a autonomia e escolha d colaborador como meio de impulsionar o aprendizado, a adaptabilidade e o impacto;
  • Criar equipes e super equipes que usam a tecnologia para aprimorar as formas humanas naturais de trabalho;
  • Desenvolver e agir com base em perspectivas de futuro usando dados em tempo real para aproveitar o potencial da força de trabalho;
  • Mudar o papel do RH da padronização e aplicação de políticas laborais para uma nova responsabilidade de re-arquitetar o
     trabalho em toda a empresa. 

 

Mas, afinal, o que é capital humano?

 

O capital humano é um conjunto de habilidades técnicas e comportamentais e conhecimentos de cada trabalhador. A construção do capital humano está atrelada aos valores e à cultura das organizações. 

 

Ele é relevante porque: gera altos níveis de conhecimentos e habilidades que possibilitam o envolvimento dos profissionais em tarefas complexas e não rotineiras. Realizando estas funções com maior eficiência e qualidade e, consequentemente, agregando maior valor para as corporações. 

 

Organizações que investem em capital humano possuem a percepção de que: os colaboradores são a ligação entre a empresa, o mercado e o cliente.

Isso porque colaboradores bem preparados e devidamente desenvolvidos, fortalecem a relação entre a organização e a sociedade, e comunicam positivamente  informações em prol da empresa – employer branding

 

Dessa forma, cada vez mais as empresas buscam desenvolver e reter as pessoas, pois o capital humano representa uma porção importante do seu valor total. Contudo, muitas organizações têm dificuldades para mensurar o valor desse ativo.

 

Como desenvolver o capital humano? 

 

O capital humano é um elemento relevante para negócios altamente competitivos, uma vez que as competências dos trabalhadores possibilitam que as empresas alcancem seus objetivos e melhorem seu desempenho financeiro

 

Mas como desenvolver capital humano? Como despertar a vontade pela busca pelo conhecimento aplicável no cotidiano profissional? 

 

É importante entender que estamos falando de pessoas, e pessoas possuem sentimentos, frustrações e anseios. O primeiro passo é compreender que os colaboradores não são máquinas e necessitam de incentivos para se sentirem valorizados. 

 

A lógica é: as pessoas fazem as organizações, e elas precisam estar felizes para se sentirem úteis e desenvolverem bons trabalhos.
A consequência é: a qualidade das entregas. 

 

O segundo passo é dar valor ao processo de capacitação do capital humano. A qualificação precisa ser uma preocupação recorrente. Isso porque, como mencionado, o capital humano leva em consideração as experiências adquiridas, tanto por meio do trabalho quanto por meio da educação corporativa. 

 

 

 

Veja a seguir algumas boas práticas de gestão de pessoas!

 

1 – Invista em Educação Corporativa

 

Se você quer desenvolver o capital humano, dê a devida importância para a capacitação e treinamento dos seus colaboradores. Para um bom capital humano, as pessoas devem evoluir de acordo com as exigências do mercado de trabalho. Dessa maneira, é muito importante fornecer os meios para que eles aprimorem suas competências. 

 

Com uma educação corporativa bem estruturada, os profissionais se sentem contemplados, construindo um ambiente de trabalho mais efetivo para organização. 

 

Isso significa que o papel da educação corporativa é fornecer os meios necessários para o desenvolvimento desse profissional dentro da cultura organizacional. Esse investimento gera  importantes resultados e consequentemente sustenta o processo de  employer branding, mantendo a equipe em alto nível, com ganhos para todos. 

 

Como resultado da preparação e treinamento dos profissionais para seus cargos, temos o aumento da qualidade dos trabalhos executados, devido a maior segurança na sua produção. Além disso, com o conhecimento adquirido existem menos dúvidas sobre os processos, que passam a se tornar mais eficazes e até mesmo mais rápidos, pois são executados com maior facilidade e destreza.

 

No mesmo sentido, o engajamento entre a equipe e a empresa se tornam muito mais efetivos, já que os trabalhadores se sentem parte do investimento e do crescimento da organização, pois encontram ali oportunidades de desenvolvimento profissional. 

 

2 – Plano de Carreira

 

Aumente o engajamento dos seus colaboradores estruturando um plano de carreira individual. Com isso, você estipula o caminho do desenvolvimento do capital humano dentro da organização. Além disso, deixa claro as competências e habilidades necessárias para o desenvolvimento do pessoal e suas expectativas em relação a ele. 

 

Com um plano de carreira estruturado,  os colaboradores se sentirão seguros para crescerem como profissionais. 

 

3 – Clima Organizacional

 

Cuidar do clima organizacional da sua empresa é prestar a devida atenção no bem estar dos seus colaboradores. Cuide do seu ambiente de trabalho para desenvolver capital humano. 

 

É preciso que as condições sejam favoráveis para tal. Qual profissional é produtivo em um ambiente desagradável, com competitividade desorganizada, picuinhas e desigualdades?

 

Mais importante do que obter as respostas, a organização deve gerar ações relevantes para criar um ambiente de trabalho saudável. Quando a organização opta por realizar uma pesquisa de clima organizacional e não agir em nenhum aspecto, o processo cai em descrédito. Na aplicação seguinte, as respostas podem não ser tão verdadeiras.

 

Divulgar os resultados para todos — mesmo que eles não sejam favoráveis — é parte do processo. Para manter um clima organizacional de alto nível, sua empresa precisa ter uma liderança. Alguém que inspire – estrategicamente – organização e que seja um exemplo de profissional e acessibilidade.

 

4 – Estratégia de Gamificação

 

A união entre educação corporativa e gamificação gera resultados rápidos e eficientes sobre o desempenho dos colaboradores durante a experimentação dos conteúdos. Por meio dos sistemas de pontuação e rankings, é possível mensurar o desempenho dos participantes e determinar possíveis pontos de melhoria em assuntos específicos. 

 

E quando a gamificação está atrelada a uma plataforma online como a Universidade Corporativa da Umentor, esses resultados e feedbacks são imediatos e detalhados. Sendo possível produzir uma avaliação de desempenho precisa dos colaboradores em todo o processo, já que o gestor pode obter dados relevantes com facilidade. 

 

 

Com a gamificação, muitas variáveis poderão ser analisadas de perto, contribuindo com o aprimoramento contínuo e com a apresentação de resultados. 

 

A gamificação realiza um papel significativo no capital humano e deve ser levada em conta quando o assunto é desenvolver o mesmo.

 

Os Benefícios de um capital humano desenvolvido

 

Profissionais que possuem elevado nível de capital humano estão mais propensos a realizar atividades ou prestar serviços com qualidade e esta situação favorece a capacidade de retenção e atração de novos clientes para a organização.

 

Paralelamente, os indivíduos e o capital humano associado podem gerar questionamentos às práticas empresariais e às normas vigentes, originando novas formas de pensar e ampliando as capacidades de inovação da organização e a possibilidade de criação de vantagens competitivas.

 

Além disso, a vantagem competitiva das corporações não está baseada na quantidade de conhecimento que estas possuem, mas sim, na sua capacidade de aprender. Portanto, o conhecimento está diretamente relacionado com o resultado das ações de formação ou com a capacidade de geração de novos aprendizados por meio de inovações.

 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Últimas Notícias