Nosso Blog

Qual importância do salário emocional?

Para que serve e qual é a importância do ‘’Salário Emocional’’?

Por que as pessoas trabalham? Sempre tivemos como resposta mais óbvia, é claro, o dinheiro. Mas, além da remuneração, existem também outros elementos que podem aumentar ou diminuir a satisfação de uma pessoa no trabalho e que fazem parte do seu “salário emocional”.


Todas as coisas positivas não financeiras que as pessoas obtêm por fazer seu trabalho são parte desse conceito, que começou a ser estudado há cerca de 10 anos. É claro que essas ‘recompensas’ que constituem o ‘salário emocional’ não substituem o salário em dinheiro — devem ser entendidas mais como uma espécie de complemento que pode ou não melhorar sua satisfação com o trabalho.


Conhecer o que é o Salário Emocional e como aplicá-lo à realidade da sua empresa é um dos tópicos mais discutidos na gestão de pessoas, atualmente. Houve um tempo, quando as pessoas disputavam para entrar na empresa X ou Y. Hoje, são as empresas que precisam “lutar” para atrair e manter os melhores talentos do mercado.


Isso porque, em um mundo globalizado, o teletrabalho ou trabalho remoto já era algo que estava se popularizando. E durante esta pandemia, vimos um crescimento do home office sem precedentes. Essa nova realidade traz novos desafios e a necessidade urgente de criar novos hábitos em relação à atenção aos colaboradores.


O que é o Salário Emocional?

 Como o nome sugere, o salário emocional é todo aquele benefício que está relacionado com saúde no trabalho. E como resultado, a melhoria da saúde mental dos colaboradores e prevenção de doenças como o Burnout.

 

Uma empresa focada no desenvolvimento de capital humano, pode incluir no “pacote de contratação”, produtos ou serviços que farão com que os colaboradores valorizem tanto ou mais que o que estiver na folha de pagamento.

Há várias maneiras de responder o que é salário emocional. Algumas empresas aproveitam o ‘salário emocional’ para atrair talentos ou ganhar a lealdade de seus funcionários. E não há nada mais improdutivo do que um funcionário infeliz.


Outras, por outro lado, consideram isso uma despesa. “E do ponto de vista contábil, é mesmo, pois é preciso investimento para fornecer um bom salário emocional”, escreveu Juan Alfonso Toscano Moctezuma, doutor em Ciências da Administração pela Universidade de Ciudad Juárez, no México, em um trabalho acadêmico de 2020.


Quanto custa o Salário Emocional?

Para saber quanto custa o salário emocional ou quanto custará para a sua empresa, entramos naquela velha questão: a felicidade tem preço? Nesse caso sim. E a boa notícia é que não precisa ser caro. Por mais que o foco dessa estratégia seja buscar melhor qualidade de vida para todos na organização, o fato é que colaboradores felizes produzem mais e melhor.


São inúmeras as ações que podem ser estimuladas na empresa para criar uma política de salário emocional no seu negócio. Não são apenas as empresas grandes e super lucrativas que podem desenvolver esse planejamento de felicidade corporativa. O salário emocional deve ser algo pensado para ser  aplicado a médio e longo prazo.


Através de pequenas ações cotidianas, que demandam um pouco mais de tempo e atenção, mas que custam pouco ou nada, é possível colocar em prática. No final do dia, depois de colocar na balança o que foi gasto e a melhora na eficiência e produtividade o resultado é claro.


Além disso, algumas ações estão diretamente relacionadas ao salário emocional e são prova de que não é necessário gastar muito para obter resultados recompensadores. São elas:

  • Melhoria na comunicação interna;
  • Respeito ao tempo e fatores externos de cada colaborador;
  • Valorização e reconhecimento dos colaboradores;
  • Treinamento de competências específicas;
  • Avaliação de desempenho constantes;
  • Organização de Team Building online.


Salário Emocional:

 Horas flexíveis

A jornada de trabalho de 8 horas continua a ser completa. Contudo, manter um horário rigoroso já não tem mais tanto sentido para muitas profissões. Dependendo da função que exerça, desde que o colaborador cumpra com as 40 horas semanais, permitir a flexibilidade horária pode garantir muitos empregos e gerar saúde no trabalho.

Outro ponto é que os colaboradores nem sempre precisam estar no escritório. Ainda mais depois do que vimos durante a pandemia. O que é importante é que os funcionários façam seu trabalho corretamente, entreguem as tarefas nos prazos e com qualidade.

Os horários flexíveis são especialmente atraentes para funcionários com filhos, ou cuidadores de outras pessoas ou até mesmo animais de estimação. Permitir que seus funcionários trabalhem de vez em quando em casa não é um custo para o empregador, mas oferece um enorme benefício para o trabalhador. Além de ser uma tendência mundial que veio para ficar.


Treinamento de competências

Oferecer treinamento especializado fora do escritório, com especialistas na área, é parte da estratégia de salário emocional. Esta é sem dúvida uma ótima maneira de motivá-los a continuar aprendendo e melhorando.


Além disso, qualquer treinamento extra que os colaboradores recebam, tem que ser entendido como um investimento para todos, pois beneficia a empresa como um todo.

Creche e atenção às crianças


A melhor maneira de ajudar  as mães e os pães a administrar o cuidado de crianças é fornecendo-lhes algum tipo de assistência.  Dessa forma, aliviando o estresse que eles têm em casa e que muitas vezes passam por tudo sozinhas. A creche é um ótimo exemplo de ações de salário emocional.

Durante a pandemia e o teletrabalho, esse quadro de estresse piorou para muitos colaboradores. E uma das soluções encontradas pelas empresas que oferecem salário emocional foi organizar e contratar serviços de Homeschooling ou Escola em Casa para que as crianças tenham atividades durante a quarentena.


Espaços de lazer

As condições do escritório são coisas importantes para se pensar também, pois afetam diretamente o ambiente e a saúde no trabalho. Se a sua empresa tiver um espaço que não está sendo bem utilizado, considere a criação de uma sala de lazer para seus colaboradores.

Nesse local, eles poderão relaxar e se desconectar para renovar as energias. A manutenção de um bom ambiente de trabalho é vital para a felicidade de seus funcionários.


Remuneração variável

A remuneração variável, permite aos funcionários escolher entre os serviços oferecidos pela empresa, com base em suas necessidades. Esse tipo de remuneração leva o nome “variável”, pois apresenta formas flexíveis de remunerar o colaborador.

Por exemplo, criar premiações, oferecendo ao colaborador experiências incríveis que fiquem na memória. Outra forma de estimular a remuneração variável é não só focar nas comissões por metas, mas também oferecer participação nos lucros e bônus anuais.


E aí depois de entender quase tudo sobre o salário emocional, você se sente emocionalmente recompensado na sua empresa? Você sabia que com a nossa ferramenta tudo isso fica SUPER fácil? Solicite uma demonstração.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Últimas Notícias